Deputado Cutrim aponta que, mesmo depois de dois anos da Reforma Trabalhista, desemprego ainda é alarmante22

  • 17 de fevereiro de 2020
  • 0

O deputado Gil Cutrim se mostrou preocupado com o aumento do número de desempregados no país, na contramão do que propunha a Reforma Trabalhista, aprovada pelo Congresso Nacional, há dois anos. Em 2017, o deputado ainda não estava na Casa, porém, em campanha pelo estado do Maranhão, já mostrava preocupação com os trabalhadores que perderam seus postos de trabalho e com aqueles que trabalham de sol a sol com a falta de reconhecimento do empregador, além da precária situação de condições de trabalho. “ Entramos 2020 ‘comemorando’ dois anos da Reforma Trabalhista. Ao invés de termos mais postos de trabalho, o que vejo, são mais pessoas desempregadas, mais pessoas trabalhando em condições de jornada intermitente e mais gente entrando na uberização das relações de trabalho. O prejuízo vem de maneira cíclica: trabalhador, empregador e economia”, comentou o deputado Cutrim. Apesar da taxa de desemprego ter fechado em queda em 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de pessoas não ocupadas ainda se mostra alarmante. Na análise do Instituto, 25% das pessoas que procuram emprego estão desempregadas há dois anos ou mais. O número chega a 2,9 milhões de pessoas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad-C), referentes ao último trimestre de 2019. Pelo mesmo levantamento, 39,2% dos brasileiros desempregados estão procurando trabalho há um ano ou mais e 84%, há um mês ou mais.222

Deputado Gil Cutrim prestigia posse do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho22

  • 12 de fevereiro de 2020
  • 0

O deputado Gil Cutrim esteve presente, nesta terça (11/02), na cerimônia de posse do economista Rogério Marinho frente ao Ministério do Desenvolvimento Regional. A solenidade, que teve a presença do presidente Jair Bolsonaro, foi no Palácio do Planalto, em Brasília, e contou com a presença de outros parlamentares, representantes do Executivo e Judiciário. O então ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho deixa a Secretaria Especial da Previdência e entra no lugar de Gustavo Canuto, que assume, a partir desta terça-feira, a presidência da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev). Para o novo ministro do Desenvolvimento Regional, o desafio é hercúleo e importante para o crescimento do país. “Quero agradecer a oportunidade de servir ao nosso país, agradecer ao presidente e dizer que vou dar o melhor de mim, sobretudo para buscar, construir, estabelecer e consolidar relações. Não vamos caminhar sozinhos. A nossa missão eh a mais nobre: corrigir desigualdades regionais para construir realidades iguais”, reforçou Marinho. O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na solenidade, que Marinho irá dar continuidade ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelo ex-ministro Gustavo Canuto. “É um ministério complexo com muita capilaridade, quase tudo o que a população precisa passa por esse ministério. Agradeço a colaboração do Canuto e, ao Rogério Marinho, que é um excelente parlamentar, tenho certeza que, como sucesso vindo com a Reforma da Previdência, irá fazer nossa economia crescer”, afirmou Bolsonaro. Para o deputado Gil Cutrim, ter o ministro Rogério Marinho a frente do Desenvolvimento Regional é um alento aos nordestinos. "Agora podemos pensar em mais projetos e outas ações voltadas à infraestrutura e melhoria da qualidade de vida para o povo nordestino, sobretudo a população do Maranhão", reiterou o parlamentar. O ministro – O economista Rogério Marinho já atua no Governo Federal desde o início do mandato do presidente Jair Bolsonaro. O então ministro do Desenvolvimento Regional deixou a Secretaria Especial da Previdência, onde atuou como um dos principais articuladores na aprovação da Reforma da Previdência, no ano passado. À frente da pasta, Marinho será responsável pelos programas de habitação popular, como Minha Casa Minha e Vida, de infraestrutura urbana e de segurança hídrica do Governo Federal.222